Breve momento de pausa para quebrar a rotina...

Autoria de textos e imagens do blog é de momento do café


14
Out 15

Costa é um "desmancha" vitórias dos outros. Costa não gosta de vitórias pouco expressivas e, tal como já se viu nas eleições que A. Seguro disputou e ganhou, procura o protagonismo, estraga a festa! Costa sofreu uma derrota nas Legislativas e, contudo, ei-lo a acenar à esquerda com a bandeira do entendimento para a formação de um provável governo. A jogada à esquerda, sem que perca o contacto com a coligação de direita, coloca Costa na posição de charneira. Neste impasse de vaivém, enquanto tem conversas que diz inconclusivas com a direita, colhe convergência e cedências da esquerda. Resta saber para que lado Costa vai bater com a porta e a quem a vai abrir para a governação do país. Após as eleições, Costa é quem mais ordena... E o que fará o Presidente da República?

E, neste dia de outono ensolarado e mar tranquilo, enquanto o barco à vela navega, Portugal, mergulhado nas vagas de indefinição, ao sabor dos ventos imprevisíveis que sopram dos quadrantes políticos à esquerda e à direita e legitimados pelo voto livre dos seus cidadãos, fica à espera do rumo que Costa, feito timoneiro, parece querer traçar para a sua governabilidade.

P1060117vela outonomc.jpg

publicado por momento do café às 17:00

13
Nov 13

Munidos do respetivo currículo para acederem ao palco do poder pelo voto livre e democrático, atores do carreirismo político fizeram promessas de boa representação e, teimosamente, levam à cena, em tempos de crise, uma peça sobre a justiça social sui generis, inspirada na austeridade. No cenário das políticas que interpretam, os atores do poder não revelam talento. Canastrões! Não passam de atores institucionais que levam ao público, e mais uma vez, a representação do estafado roteiro da austeridade.

publicado por momento do café às 12:52

02
Jul 13

Em menos de 24h já se foram dois ministros.  Lá vai um ...lá vão dois... e entra uma nova ministra que neste momento toma posse... Mas isto é um governo? E o que se segue? Adivinha-se um verão quente. Julho começa mal... um governo moribundo!!

publicado por momento do café às 17:11

31
Ago 12

Jovem com pretensões a político, o jotinha, espreita a melhor perspetiva que a vida lhe possa oferecer e busca a acomodação num qualquer partido do espetro político que lhe proporcione a garantia de ganhos futuros. Enfronha-se no aparelho do partido político, o seu hospedeiro e, junto dos seus pares, é mais um jovem endoparasita que se dedica a prover recursos e meios que lhe sustentem o sonho e o guiem como jotinha influente, mobilizador e líder da juventude partidária que congrega à sua volta. Metodicamente, em nome dos interesses políticos do partido e do país, busca conhecimento que lhe alimente o crescimento indispensável na estrutura partidária de acolhimento que o formata politicamente e focaliza-se no seu primeiro objetivo, "a Jotaliderança". Toma-a como o trampolim que o catapulta para o primeiro patamar na carreira político-partidária e, como jovem líder, o jotinha constrói e enriquece um currículo político bem conseguido e reconhecido para, no momento preciso, fazer despoletar uma ambicionada cimentação política mais alargada. E é eleito deputado! E, dentre tantos outros jotinhas, com militância e ação políticas sempre presentes, em nome do eleitorado que pretende em crescendo, soma episódios de (in)sensibilidade e atividade políticas de (ir)relevante cidadania e serviço público. Mais tarde, a recompensa chega. Tem a acessão a cargo na governação ou em administração de reconhecido prestígio, a convite de outros poderes que gravitam em redor do poder político que ele, desinteressadamente (?!), tão bem sabe servir.

publicado por momento do café às 09:29

28
Abr 11

Ele, com elegância de impecável talhe, apresenta porte único e distinto. Sabe como agir rápido aos ataques dos adversários, movimenta-se ardilosamente, abusando do autoelogio ou da vitimização enganosa. Líder incontestado, em triunfal e conveniente show-off, faz acusações, alija responsabilidades, usa um discurso formatado ao propósito circunstancial de continuidade no poder, arranca o aplauso bajulador e congrega o voto fidelizado dos seus subservientes apoiantes. É a imagem de um self marketing politic man.

publicado por momento do café às 11:55

20
Jan 11

O mundo continua a girar e Portugal, quase letárgico, vai girando alheado. A azáfama eleitoral percorre o país de norte a sul. Os candidatos às presidenciais, assessorados por galopins, desdobram-se em arruadas, feiras, comícios e jantares. É o jogo da luta pelo voto do povo. Jogam as palavras que definem as qualidades que os diferenciam e apresentam-se ao eleitorado. Um candidato proclama-se o arauto da confiança e da competência. Outro apodera-se dos valores da democracia e revê-se como a guardião da república e do estado social. Ainda outro afirma ser a única alternativa à necessidade de rutura e de mudança. Um outro candidato, um não profissional da política, apresenta-se como o cruzado da confiança para recomeçar Portugal. Ainda outro, qual D. Quixote, escolhe os destinatários e desfere ataques verbais a quem chama de tiranetes e outros quejandos da política. Por fim, outro candidato reduz o seu propósito de luta contra a resignação ao pedido de explicações que exige a um dos seus concorrentes, o seu alvo preferencial. Debates, comentários, análises, opiniões alimentam jornalistas experts em política nacional, comentadores, analistas, formadores de opinião e uma casta de politólogos que pululam por aí. Esmiúçam, analisam, abalizam palavras e ações dos candidatos e dos seus apoiantes mais diretos e influentes. O resultado é a amálgama de opiniões e conjeturas. Especulam-se estratégias, apontam-se soluções políticas, inconclusivas e confusas, que o povo, simplesmente, despreza. Por isso, no ar, paira a sombra de um outro candidato, sem rosto – a abstenção – com a força de desvirtuar o resultado do ato eleitoral.

publicado por momento do café às 12:29

13
Out 10

Sob os desmandos que a incompetência económico-financeira gerou, uma nuvem cinzenta e pesada permanece sobre o presente e o futuro deste país a oeste da Ibéria e à beira-mar plantado. Entretanto, o estridular de quem o governa e o zoar do maior grupo da oposição não passam despercebidos a todos os portugueses que reprimem a raiva e procuram aguentar a luta contra a canga de austeridade que se abateu sobre eles. Olhando este país que definha, o povo interroga-se sobre a votação do Orçamento  do Estado que o governo apresentará e qual será o sentido de voto do PSD: Votar contra ou abster-se: eis a questão!

publicado por momento do café às 11:56

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Dia Mundial da poesia - Desafio Blogs do Sapo 2011

VISITAS

Obrigada a quem passa pelo momento do café! Comentários e opiniões são bem-vindos!

mais sobre mim
pesquisar
 
DIREITOS DE AUTOR

dir autorpq.png

*Textos e imagens de outra autoria e proveniência publicados neste blog são devidamente referenciados no respetivo post.

Tradutor
Porto e o Douro

...........................................................................

Boa Nova: Farol e mar

Do terraço vejo o mar...

o pôr-do-sol...

20161227_170628.jpg