Breve momento de pausa para quebrar a rotina...

Autoria de textos e imagens do blog é de momento do café


30
Dez 16

2016 está quase a partir. Foi intenso na alegria e na dor. Tal qual a geringonça que cronologicamente o percorreu e que se presumia instável e a prazo, ora bamboleoando-se mais para a esquerda, ora mais para o centro-esquerda, 2016 lá se foi aguentando também. Uns dias mais a contento, outros mais para esquecer. Foi um ano em que tudo pôde acontecer, quer para o bem quer para o mal. Foi rico em acontecimentos que perdurarão na memória das gentes. Não será recordado como mais um ano que foi cumprido mas, sim, repleto de memórias registadas para a História da Humanidade, desde o brutal terramoto em Itália ao terror dos atentados (Bruxelas, Nice, Istambul, Berlim); do cheiro a medo, sangue e morte em Alepo ao drama dos refugiados que atravessam o mar em busca da Paz e com esperança em melhores dias. Em 2016, o Homem continuou a ser o ator cruel e o observador condoído nos dias mais negros do ano. Como esquecer? Também outros acontecimentos não podem ficar esquecidos porque, de forma imprevista, a Morte levou gente da música, do cinema, da televisão, do teatro, da ciência, do desporto, da política. Saudade e tristeza. Vidas que partiram e deixaram um memorável legado à Humanidade. Por fim, resta recordar, no rol dos acontecimentos de 2016, que Portugal foi Campeão Europeu! 

Untitled.png

publicado por momento do café às 23:18

12
Set 13

Negócios ruinosos. Contratos firmados ao arrepio dos interesses do Estado e dos cidadãos. E ”nisto” não há inocentes. Riscos à mercê do poder financeiro. E do económico, também. Custos e perdas. Até a perda da vergonha! A crise. E a Troika, a contenção, a austeridade. A insensibilidade social, também. Sacrifícios e mais sacrifícios. Para quê? O sorvedouro incalculável! As contas de subtrair nos bolsos dos cidadãos. O verão na reta final! A preparação do OE para 2014. A 8ª e a 9ª avaliações da Troika. O corte nas pensões (aqui). Como estas atrapalham as contas do orçamento e as “conversas” com Troika! Afinal, há gente que tem a desfaçatez de envelhecer vivendo da pensão de aposentação ou da sua reforma que lhe foi garantida após dezenas de anos de trabalho e de descontos para CGA ou SS! Um conselho. Só um, mas radical! Como nas hostes há imaginação, delete- se a "peste grisalha”(aqui)E com a garantia de "descontaminação" e de poupança (aqui) que passará a um número mais expressivo!

publicado por momento do café às 10:26

24
Ago 13

Surpresa, surpresa! Pois é, andavam aos papéis… e eles escafederam-se. Este verbo, quando pronunciamos as suas últimas sílabas, lembra um aroma putrefacto que empesta os ditos papéis. Aqueles que se procuravam. Os dos swaps. Que chatice. A palavra swaps já chegava aos ouvidos num som sibilino. Dava uma sensação desagradável e enigmática. Tocar-lhes devia causar mal-estar, por isso, imaterializaram-se. Por via dos sentidos, já só falta saber o paladar (amargo, não é?), não vá alguém tê-los tragado.

publicado por momento do café às 12:24

22
Ago 13

 

 Viagem a Bragança, um calor abrasador. O céu azul, o fogo ao longe.


 

 Uma autoestrada deserta.


 

Outras vezes, quase deserta.


 

O aviso constante. 

                                                                  

 

O fogo...

 

e, mais fogo, o flagelo deste verão.

publicado por momento do café às 10:20

17
Ago 13
Cairo, cantavam os Táxi. Veio-me à memória nestes dias sangrentos que se vivem por lá. Um Cairo quente, a ferro e fogo.
 
*Vídeo YouTube
publicado por momento do café às 09:34

14
Ago 13

O país a banhos! Eis que somos surpreendidos pela boa-nova: a economia cresce 1,1% (dados do INE). Boas braçadas, bem vigorosas, que estamos a fugir de recessão. Toca a curtir bem o bronze, tomar um tom mais jovial que o verão está aí, o sol veio para ficar e a recessão ensaia uns pequenos passos de saída. 

publicado por momento do café às 11:55

09
Ago 13

Sol, praia, férias! Céu azul, sol escaldante. Piscina e mar. Bons mergulhos e largas braçadas. Momentos de lazer. Pausa retemperante. Leitura, música, cinema. Silly season das futilidades e das despreocupações. Verão calmo e descontraído. Repentinamente salpicado pela polémica onda dos swaps que chega e se espraia. Enrola, embrulha, incomoda. Apanhado pela onda de acusações, verão esbraceja. Dificilmente sairá incólume. A silly season não será como era.

 

publicado por momento do café às 11:09

Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Dia Mundial da poesia - Desafio Blogs do Sapo 2011

VISITAS

Obrigada a quem passa pelo momento do café! Comentários e opiniões são bem-vindos!

mais sobre mim
pesquisar
 
DIREITOS DE AUTOR

dir autorpq.png

*Textos e imagens de outra autoria e proveniência publicados neste blog são devidamente referenciados no respetivo post.

Tradutor
Porto e o Douro

...........................................................................

Boa Nova: Farol e mar

Do terraço vejo o mar...

o pôr-do-sol...

20161227_170628.jpg