Breve momento de pausa para quebrar a rotina...

Autoria de textos e imagens do blog é de momento do café


06
Jul 09

Era uma vez, no tempo em que os insectos e outros animais falavam, um jardim quadrilongo que ficava no oeste da Ibéria e era banhado pelo mar. Dir-se-ia que o mar se juntava ao jardim onde a cor das rosas predominava. Era habitado por muitas espécies de seres vivos e, por deterem o poder, os grilos cantantes eram os que mais se destacavam e assim chamados porque no passado, ainda não muito longínquo, estridulavam incessantemente para amedrontar todos os outros insectos e demais seres que se opunham às medidas que propagandeavam, em show off constante, porque as achavam de grande alcance social e económico. Então, aconteceu que nas eleições para a união dos jardins do velho mundo, uns grilinhos mais próximos do grilinhos dirigentes, pela empatia e por serem mais conhecidos, haviam sido admitidos nas listas como chamariz e na condição de que seriam também candidatados ao poder local nas comunidades daquele jardim quadrilongo à beira-mar. Fora uma regra insistente e principalmente reprovada pelo zumbido das vespas e levara algumas ferroadas das formiguinhas situadas, quer mais à direita, quer mais à esquerda e mais radicalmente à esquerda do grupo dos grilídeos. Contudo, a decisão daquela regra dos grilinhos cantantes mantivera-se. Mas no pequeno jardim, de repente, nas eleições para o jardim mais alargado do velho continente, os grilos foram derrotados e do vespeiro, que surpreendentemente saíra vencedor sob as ordens da vespa-rainha, zumbiram argumentos mais estridentes que refrearam a arrogância e enfraqueceram as decisões dos grilinhos cantantes. Decorrido algum tempo, para admiração de toda a população grilídea e não só, alguns grilinhos que estavam indicados nas listas para as eleições ao poder local no jardim quadrilongo não poderiam ser candidatos a deputados do parlamento daquele jardim tão rosadamente colorido.  Mudara-se a regra! Claro que a decisão proibitiva quanto a uma dupla candidatura não fora coerentemente mantida pelo dirigentes grilídeos sobre o grupo dos grilinhos cantantes escolhidos. E como era de esperar, apanhou-os de surpresa e ouviram-se grilinhos a estridular por todo o jardim: uns (os que mantinham a qualidade de dupla candidatura), em uníssono com o grilinhos dirigentes; outros, um pouco dissonantes e revoltados pela surpresa. Mas estes grilinhos atingidos pela injusta proibição, como estavam em pleno verão e, aproveitando o sol, cantaram de forma precavida, não fosse o ar da silly season tramar-lhes um dos tachos no jardim quadrilongo... no outono, a estação do ano que lhes traria a dupla eleição... atraiçoada!

publicado por momento do café às 00:16

Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
17

21

28
29


arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Dia Mundial da poesia - Desafio Blogs do Sapo 2011

VISITAS

Obrigada a quem passa pelo momento do café! Comentários e opiniões são bem-vindos!

mais sobre mim
pesquisar
 
DIREITOS DE AUTOR

dir autorpq.png

*Textos e imagens de outra autoria e proveniência publicados neste blog são devidamente referenciados no respetivo post.

Tradutor
Porto e o Douro

...........................................................................

Boa Nova: Farol e mar

Do terraço vejo o mar...

o pôr-do-sol...

20161227_170628.jpg