Breve momento de pausa para quebrar a rotina...

Autoria de textos e imagens do blog é de momento do café


11
Jun 09

Era uma vez um avestruz que, logo após o fecho das urnas, olhou a projecção dos resultados eleitorais e com o seu bando, procurou pôr-se em debandada, decepcionado e taciturno. Não houve o show-off que, antecipadamente, todo o bando de avestruzes preparara para engrandecer o momento e a atmosfera de vitória que convictamente previra... O ambiente deserto e o silêncio ensurdecedor, desencadeados pela derrota admitida, foram quebrados pela audição de um curto discurso de circunstância. Um balde de água fria colocou todos os avestruzes em corrida, perante a constrangedora e inesperada situação em que foram postos à prova. Confirmou-se a pertença do bando à família dos Estrutionídeos, pois as pernas bem longas e musculadas que caracterizam a sua enorme robustez e agilidade, permitiram uma fuga perfeita e rápida, principalmente, para prevenir o instante em que os media, previsivelmente, no propósito predatório que os sustenta, viessem a interpelar alguns dos avestruzes sobre aquela derrota sofrida... Só não voaram dali mais depressa porque a grande envergadura condiciona-lhes a capacidade de voo. O avestruz escolhido como candidato e cabeça de lista, havia interiorizado que era a maior ave e que a vitória estaria no papo... Tivera de engolir ideias e propostas diversas dos seus princípios e da sua realidade no terreno e, para que pudesse digeri-las, vira-se no propósito lapídeo de ingeri-las para que a sua digestão se tornasse mais facilitada e menos embaraçosa em relação ao resto do grupo de avestruzes que o acompanhava. Alimentou, eleitoralmente, as ervas daninhas da insinuação, sementes da suspeição numa campanha em que deu o tudo por tudo para que pudesse colher a vitória nas urnas . Procurou, com veemência, reduzir as vespas ao silêncio da derrota, esses insectos que fizeram mais oposição de proximidade e que frontalmente lutavam pela vitória eleitoral. Os avestruzes insinuavam e chegaram a pôr em dúvida a capacidade da vespa-rainha para reunir, à sua volta, um vespeiro de apoiantes e conseguir até, que o zumbido mais dissonante de algumas vespas se congregasse em torno da vespa cabeça de lista que ela escolhera para esta difícil empreitada. Mas as eleições chegaram ao fim. A derrota atingiu os avestruzes. E o mito que corre em relação aos avestruzes parece ter sido sustentado... quando apareceram tão cabisbaixos. Até quando? A visão e a audição aguçadas de que dispõem, logo colocou o grupo de avestruzes atento aos predadores que pudessem emergir naquele momento de extrema vulnerabilidade. Muito capacitados para ruminar e digerir uma derrota tão sentida, os avestruzes, com determinação, tomaram precauções e imbuídos do espírito de Fénix, procuraram renascer das próprias cinzas e novamente, despertaram em si, a ambição adiada... e o ânimo para lutarem por uma próxima vitória.

publicado por momento do café às 00:07

Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

15
19

26



arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Dia Mundial da poesia - Desafio Blogs do Sapo 2011

mais sobre mim
pesquisar
 
DIREITOS DE AUTOR

dir autorpq.png

*Textos e imagens de outra autoria e proveniência publicados neste blog são devidamente referenciados no respetivo post.

Porto e o Douro

...........................................................................

Boa Nova: Farol e mar

Do terraço vejo o mar...

o pôr-do-sol...

20161227_170628.jpg