Breve momento de pausa para quebrar a rotina...

Autoria de textos e imagens do blog é de momento do café


17
Mai 09

Já sentado
tão sossegado,
no colo da vovó,
João gosta
do que mostra
ali o monitor
do computador.
Faz-se clique
para que se fique
a navegar
assim na Internet
que tanto diverte.
João quer olhar
aquele sapo
tão esverdeado
que vai saltar
de lado p'ra lado.
Gosta desse safado,
sapo amalucado,
saltitante,
inquietante
que diverte
na Internet…
que espreita
daqui e dali
e se esconde
ali e aqui.
João agita-se.
Entusiasma-se.
De voz aberta
exclama:
” O sapo liberta-se”.

 

(Rimas Pró João, 2004)

publicado por momento do café às 00:23

14
Mai 09

A educação estética ultrapassa o conceito restrito de educação artística – visual ou plástica – e, de forma abrangente, inclui todas as formas de expressão. A educação artística deve ser compreendida num sentido mais amplo e como dizia, em 1943, Herbert Read, autor inglês, crítico de arte e defensor do movimento de educação pela arte: ''… não é simplesmente a educação artística como tal, que deveria denominar-se mais propriamente educação visual ou plástica: a teoria que anunciarei abarca todos os modos de expressão individual, literária e poética (verbal) não menos que musical ou auditiva, e forma um enfoque integral da realidade que deveria denominar-se educação estética, a educação desses sentidos sobre os quais se fundam a consciência e, em última instância, a inteligência e o juízo do indivíduo humano''.¹ Ao iniciar o jardim de infância e mais tarde na escola, as actividades de expressão são, fundamentalmente, o início da própria afirmação da criança que, através delas, transmite os seus desejos, as suas tristezas e frustrações, a sua ânsia de viver e de se adaptar, canaliza as suas energias, desenvolve o seu sentido estético e artístico, a atenção, a capacidade de concentração, a socialização e a integração no grupo e desenvolve a sua percepção táctil e a coordenação motora. A expressão plástica  como uma actividade artística deve ser praticada na escola e pressupõe uma área que a educação não pode deixar esquecida. A escola actual não está interessada ou empenhada em formar artistas plásticos, embora não ponha de lado a possibilidade de isso acontecer ou até se permita à descoberta de talentos. O seu objectivo é, apenas, satisfazer as necessidades da criança ou do jovem, permitindo-lhes que desenvolvam esta forma pessoal de expressão, aproveitando a criatividade espontânea. Contudo, a expressão plástica como manifestação de sentimentos, emoções, estados de alma e de afirmação pessoal não pode desprezar a sua dimensão estética.


1.  Duarte Jr., J.-F.: Por que Arte-educação?. Ed. Papiro Editora, Campinas, SP., (p.76, 19ª ed.) "http://books.google.com"

publicado por momento do café às 16:52

13
Mai 09

Os gafanhotos gigantes, providos de grande porte gregário, saltitam daqui para ali, fruto de grandes e fortes apendiculares móveis que lhes facilitam uma frenética deslocação no centro das transacções financeiras, em estratégia de controlo absoluto. Normalmente, quando solitários não provocam estragos de monta, parecem agir pacatamente e julgam-se honestamente realizados e confiáveis. Voam saltitando por aqui e por ali e procuram todos os habitats favoráveis do poder económico e do capital, onde podem munir-se de todos os benefícios em proveito do seu incontrolável apetite financeiro, sempre insaciável e alimentando-se, com gula, pelos ganhos fáceis. Transformam-se, pela ambição, em grandes máquinas financeiras. Vão lançando e arrastando muitos outros gafanhotos ambiciosos que se saciam com investimentos de risco que os engordam descomunalmente. Manipulam as economias de muitos gafanhotos incautos, os gafanhotinhos, que neles confiam. A confiança é total nos gafanhotos gigantes, porque os acham gafanhotos de bem, acima de qualquer suspeita... e têm como certo que o gafanhoto com a função de supervisão, cercado de muitos privilégios, está atento a toda a predatória que uma agitadíssima praga de gafanhotos gigantes possa provocar numa qualquer instituição financeira. E uma a crise económico-financeira instala-se e ao comportamento dos gafanhotos gigantes é imposta uma dieta...

publicado por momento do café às 01:42

10
Mai 09

Ao som do zumbido difundido pelo vespeiro, a vespa-rainha foi emergindo e, gradualmente, crescendo. Nesta espécie social que caracteriza  o vespeiro de um qualquer espectro político, a vespa-rainha instalou-se de forma discreta e, por algum tempo, manteve-se silenciosa. Já acomodada no vespeiro e rodeada de vespas suas apoiantes, fomentou uma mudança circunstancial para objectivar soluções que enfrentassem a situação embaraçosa que resultou da crise económica e financeira para a qual os seguidores da economia selvagem arrastaram o mundo. Consumada a sua eclosão política, acompanhada por tantas outras que lhe são fiéis, procura organizar e controlar o seu ninho de vespas para a que a verdade, a opinião e a vontade de uma qualquer outra vespa, mais combativa, não sobressaia. É premente que ninguém consiga influenciar, nem sequer consciencializar o vespeiro com causas fracturantes que possam trazer estragos à sua posição de vespa-rainha. Não querendo e detestando o show-off, imbuída de atitudes sóbrias, procura comunicar com o vespeiro, evita o uso do ferrão acutilante para que a sua picada não se possa traduzir numa mútua situação de luta dolorosa que venha a ganhar repercussão, condicionando o voto das vespinhas aderentes. Mas desenganem-se as vespas que julgam que a vespa-rainha não é combativa. Atormentar e desgastar são as marcas do seu combate. Ela direcciona-o para um alvo determinado. O seu desejo é cravar as marcas do seu ferrão no poder dos grilos, esses seres cantores que estridulam e ressoam com sons amplificados, produzindo um canto muito particular com a finalidade de atrair os populares grilinhos votantes. Muitos destes consideram os grilos cantantes como amuletos de estimação, pois um grilo representa muita ''sorte'' que poderá ser manifestada nas benfeitorias que os grilinhos não querem perder, nem desejam alienar. Mas o canto dos grilos depois de uma proposta de solução apresentada pela vespa-rainha, pode ser julgado como se a mesma não tivesse passado de um dichote ou tivesse sido, simplesmente, ignorada pelos grilos cantantes. E eles, avessos às críticas de ideias e a propostas de solução, preferem cantar em uníssono e que estridulação resulta! Não param. Isso é motivo para causar mais irritação na vespa-rainha e em todo o vespeiro que acolita à sua volta. A vespa-rainha sente-se fortalecida e ciente da oposição responsável face ao poder dos grilos, reage incomodada e parte para o ataque aos grilos cantantes. Ela procura atingi-los com o seu ferrão para lhes reduzir ao mínimo os possantes estriduladores,  para os silenciar, para os amordaçar – queixa-se um dos notáveis grilos cantantes. E logo ele! A sua necessidade de estridular é constante... e como se sente ameaçadoramente amordaçado!

publicado por momento do café às 00:24

08
Mai 09

João, completas hoje 7anos. Como já aprendeste a ler, vou deixar aqui uma rima que escrevi para ti, porque já adoravas cantar os parabéns quando tinhas 2 anos.


Parabéns


Seja aniversário

do avô, do Miguel

ou até da tia Raquel,

seja um qualquer dia,

“Parabéns a você”,

canta o João

com tanta alegria.

É uma diversão

e tanta fantasia.

Aqui e acolá,

um e outro balão,

e sobre a mesa

um bolo branquinho

de creme docinho,

velas incandescentes

e muitos presentes.

Nesta data querida,

deseja felicidades

e muitos anos de vida.

Hoje é dia de festa,

há alegria nas almas,

o menino João

canta e encanta,

sopra as velinhas,

ouve as palmas

e recebe prendinhas.

(Rimas Pró João, 2004)


publicado por momento do café às 00:09

07
Mai 09

O primeiro trabalho que o Tiago realizou, com 2 anos de idade.

publicado por momento do café às 14:11
Tags/etiquetas: , ,

publicado por momento do café às 10:29
Tags/etiquetas: , ,

Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
15
16

19
20
22
23

26
27
28



arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Dia Mundial da poesia - Desafio Blogs do Sapo 2011

VISITAS

Obrigada a quem passa pelo momento do café! Comentários e opiniões são bem-vindos!

mais sobre mim
pesquisar
 
DIREITOS DE AUTOR

dir autorpq.png

*Textos e imagens de outra autoria e proveniência publicados neste blog são devidamente referenciados no respetivo post.

Tradutor
Porto e o Douro

...........................................................................

Boa Nova: Farol e mar

Do terraço vejo o mar...

o pôr-do-sol...

20161227_170628.jpg