Breve momento de pausa para quebrar a rotina...

Autoria de textos e imagens do blog é de momento do café


13
Nov 13

Munidos do respetivo currículo para acederem ao palco do poder pelo voto livre e democrático, atores do carreirismo político fizeram promessas de boa representação e, teimosamente, levam à cena, em tempos de crise, uma peça sobre a justiça social sui generis, inspirada na austeridade. No cenário das políticas que interpretam, os atores do poder não revelam talento. Canastrões! Não passam de atores institucionais que levam ao público, e mais uma vez, a representação do estafado roteiro da austeridade.

À boca de cena, um "brutal" anteolhos é o adereço que lhes completa o figurino de personagens frias e austeras que encarnam. Sem emoção, só podem olhar em frente. Mais próximos e em lugares privilegiados, veem os ricos, os multimilionários, um inacreditável número que cresce em tempo de crise. Encaram-nos num diálogo de surdos-mudos! São os intocáveis! Mais ao longe, ocupando os lugares mais afastados do palco do poder e lá bem ao fundo, a perder de vista, olham os mais pobres que estão “mais pobres” e oferecem-lhes a farsa da caridadezinha. Só isso! E do palco, os atores mais nada vislumbram, obcecados que estão com a exigência do encenador, a Troika. Obedientes às etapas de representação e às decisões que o encenador toma, os atores refugiam-se no “ enorme” ponto cego causado pelo tal adereço que lhes tolda a visão bilateral! Não enxergam a classe média que tudo aguenta, em troca de nada. Mas sabem que ela está lá,  à mão de sugar, a classe social de suporte e solidária, esmifrada e exaurida, (e quem aguentará tal cena de austeridade?), até que desfaleça e passe a ser visionada, bem ao longe, a engrossar o pelotão dos mais pobres. E no país das maravilhas e dos milagreiros, o drama de cortes, impostos, taxas, contribuições extras e de toda a parafernália de medidas a executar para cumprir as metas do défice continua. Com gaffes, excesso de buchas e marcação desacertada dos atores, o ritmo do jogo cénico imposto pelo encenador cumpre-se, no palco do poder. Em busca da presença cénica da oposição política e do T.C.*, os atores, desde o palco do poder político, lançam as “deixas”… que ficam no ar! Em suspenso!… Ninguém, para já, quer contracenar e servir de muleta neste espetáculo da austeridade que não tem sucesso garantido. O fiasco parece que ronda… but the show goes on.

*Tribunal Constitucional

publicado por momento do café às 12:52

Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14
15
16

17
20
21
23

25
26
27
28
29
30


arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Dia Mundial da poesia - Desafio Blogs do Sapo 2011

VISITAS

Obrigada a quem passa pelo momento do café! Comentários e opiniões são bem-vindos!

mais sobre mim
pesquisar
 
DIREITOS DE AUTOR

dir autorpq.png

*Textos e imagens de outra autoria e proveniência publicados neste blog são devidamente referenciados no respetivo post.

Tradutor
Porto e o Douro

...........................................................................

Boa Nova: Farol e mar

Do terraço vejo o mar...

o pôr-do-sol...

20161227_170628.jpg