Breve momento de pausa para quebrar a rotina...

Autoria de textos e imagens do blog é de momento do café


25
Set 13

É outono. A Troika por cá, 8ª e 9ª avaliações a decorrerem e a azáfama da campanha eleitoral toma conta do quotidiano. Os candidatos aos órgãos autárquicos, quer apoiados pelos partidos políticos, quer constituindo grupos de cidadãos independentes, num jogo de apelo ao voto, desdobram-se por inúmeras atividades comunicacionais (arruadas, feiras, festas, etc.) para captar o povo. A música, vira o disco e toca o mesmo, não falta a acompanhar toda campanha eleitoral. Outdoors, pendentes, bandeiras, faixas enxameiam ruas, praças, jardins, rotundas... e, a quem passa nos locais mais movimentados, distribuem-se os prospetos informativos dos candidatos.

Enquanto o povo vive tempos de contenção, há candidatos que, estranhamente, até dispõem de bons orçamentos! Como são fartos na distribuição de brindes e na oferta de espetáculos. O povo nunca recusa! A proveniência da oferta de brindes e de espetáculos nunca é posta em causa. O povo quer o brinde! E quer ouvir e ver o cantor que aprecia, ao vivo, a cores e de borla. Contudo, nesta luta pelo poder autárquico, há que contar com o candidato mais temido. Chama-se Abstenção! Não recorre a estratégias de campanha eleitoral, não oferece brindes nem dá música. Não precisa. Há sempre gente que aposta nela! Do eleitor, só exige comodismo e que não compareça no dia da eleição. E tanta gente assim faz. Justifica-se de que já não vale a pena exercer o direito de voto. E a Abstenção, o candidato temido e inútil, obtém grande e influente score  no resultado final… Um número sem rosto, um adversário sempre presente. Quem “assim escolhe”, deixa a decisão nas mãos dos outros. Depois, não será tarde demais para se lamentar?
publicado por momento do café às 09:28

Olá boa tarde. Em todos os lugares eles são como a chuva, neste caso ainda não. Fazem tudo para nos dar o sorriso que noutras alturas era amargo, tem auto carros abertos a moda da Europa, se gasta, e torna a gastar, promessas são tantas que até perdemos a conta, se outrora era deste, agora são do outro e fica tudo na mesma. Olhe nem sei que lhe diga, mas nunca falhei ao meu direito de cidadania e sei muito bem o que quero.
Bom fim de semana,bjs .
maripossa a 26 de Setembro de 2013 às 18:40

Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26

29


arquivos
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Dia Mundial da poesia - Desafio Blogs do Sapo 2011

VISITAS

Obrigada a quem passa pelo momento do café! Comentários e opiniões são bem-vindos!

mais sobre mim
pesquisar
 
DIREITOS DE AUTOR

dir autorpq.png

*Textos e imagens de outra autoria e proveniência publicados neste blog são devidamente referenciados no respetivo post.

Tradutor
Porto e o Douro

...........................................................................

Boa Nova: Farol e mar

Do terraço vejo o mar...